Hoje (18), a Sony realizou um evento online para revelar oficialmente o PS5, novo membro da família PlayStation. A transmissão trouxe o conteúdo previsto para a GDC, cancelada devido ao coronavírus. Finalmente vimos tudo sobre os aspectos técnicos do PlayStation 5.

Confira as primeiras especificações técnicas:

  • CPU: 8x Zen 2 em 3.5 Ghz (frequência variável)
  • GPU: 10.28 TFLOPs, 36 CUs (unidades de computação) em 2.23 GHz (frequência variável)
  • RAM: 16 GB DDR6
  • Arquitetura da GPU: Custom RDNA 2
  • Largura de banda: 448GB/s
  • Armazenamento:  825GB SSD customizado
  • IO: 5.5GB/s (Raw), Typical 8-9GB/s (Compressed)
  • Armazenamento expansível: entrada para NVMe SSD e HDD via USB
  • Leitor de discos: 4K UHD Blu-ray Drive

Comparação com o Xbox Series X

A Sony também confirmou que o PS5 terá uma nova tecnologia de áudio 3D e um ambiente extremamente amigável para desenvolvedores. Além disso, o clock da GPU e da CPU são variáveis. Em comparação, o PS5 chega mais fraco que o Xbox Series X em poder bruto, já que tem 10.28 Teraflops (contra 12.1 Teraflops do console da Microsoft).

Mas o PlayStation 5 supera as especificações do Xbox Seriex X em largura de banda. O PS5 consegue ler 5.5 GB por segundo de dados puros e 8 a 9 GB de dados comprimidos por segundo (o Xbox Series X faz isso em 2.5 GB/s e 4.8 GB/s, respectivamente).

A velocidade de leitura da memória RAM também varia entre os dois consoles. O PS5 tem 16 GDRR6 de velocidade consistente (enquanto o Xbox Series X apostou em 16 GB GDDR6 de velocidades variáveis). A memória RAM do PS5 tem a consistência de 448 GB por segundo (o Series X traz 10 GB de RAM com leitura de 560 GB por segundo e 6 GB com leitura de 336 GB por segundo)

As últimas diferenças estão nos clocks. O Xbox Series X tem um clock fixo de 3.8 GHz, enquanto o PS5 traz a mesma CPU com 3.5 GHz, mas com clock variável. A GPU segue o mesmo princípio: o PS5 tem menos unidades computacionais, mas traz clocks maiores (resultando na diferença de 12.1 Teraflops vs. 10.28 Teraflops).

Qual o motivo de usar menos Teraflops?

Mark Cerny disse que a Sony optou por clocks maiores por alguns motivos. Segundo ele, velocidades maiores com menos unidades computacionais garantem resultados melhores em diversas funcionalidades da GPU. Além disso, preencher triângulos para renderização em muitas unidades computacionais ao mesmo tempo é algo pouco eficiente.

O engenheiro ainda explicou que nem tudo se resume a Teraflops, e que há uma estratégia definida para o PS5. Entre elas, o consumo menor de energia, esquentando menos e fazendo menos barulho. Para compensar, os clocks são variáveis e podem se adaptar às necessidades de renderização dos games.

Ray Tracing

A Sony não revelou muito sobre o Ray Tracing até o momento, mas o console terá suporte à tecnologia, principalmente em tecnologias de áudio 3D. Segundo o Digital Foundry, o Ray Tracing terá aceleração de hardware, mas diferente do Xbox Series X.

Segundo o veículo, a tecnologia será mais parecida com a próxima geração de GPUs da AMD e será inteiramente integrado à GPU, ou seja, sem um bloco externo que é dedicado ao recurso (como no Xbox Series X). De acordo com Mark Cerny, é possível realizar Ray Tracing de alta qualidade com custos extremamente baixos.

Tempest 3D Audio Tech: o áudio 3D do PS5

Mark Cerny também revelou alguns detalhes sobre a nova função de áudio 3D do PlayStation 5, a Tempest 3D Audio Tech. Nas palavras do engenheiro, o console terá um processador dedicado com um algoritmo criado pela Sony para revolucionar o áudio em jogos.

Segundo Cerny, a capacidade do Tempest 3D Audio Tech ultrapassa a capacidade de som 3D do PSVR, que atualmente consegue detectar 5 mil fontes de áudio. Não só o algoritmo calcula de onde vem, mas se vem de uma área maior, o tamanho da onda do som e sua propagação através do espaço em que se locomove.

Segundo a Sony, será possível ver os resultados dessa tecnologia até em fones comuns.

Retrocompatibilidade

Segundo a Sony, o PlayStation 5 terá retrocompatibilidade com o PlayStation 4. A empresa não mencionou se o console também será compatível com as outras gerações, o que indica que PS1, 2 e 3 podem ficar de fora desse recurso.

A empresa disse ainda que analisou os 100 jogos mais jogados no PS4 e espera que todos eles sejam compatíveis com o novo console já em seu lançamento.

O PlayStation 5 ainda não tem data de lançamento definida nem preço, mas está previsto para chegar no fim de 2020, assim como o Xbox Series X.